terça-feira, 29 de janeiro de 2013

CAROS AMIGOS E IRMÃOS VOLTEI, DEPOIS DE MUITO TEMPO INATIVO DEVIDO PROBLEMAS TÉCNICOS MAIS ESTAMOS AQUI NOVAMENTE, COM PUBLICAÇÕES NOVAS E COM MUITAS NOVIDADES ESPERE SÓ MAIS UM POUQUINHO.

quinta-feira, 31 de maio de 2012

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

AS MARCAS DE UMA IGREJA APOSTATA

1) abre mão de pressupostos doutrinários para não ofender as pessoas com mensagens consideradas ofensivas, portanto não se fala mais sobre pecado e não se denuncia mais os pecadores como perdidos de maneira correta e coerente.

2) Não mais defende um estilo de vida de santidade, mas abraçou o mundanismo em praticamente todos os setores.

3) Não mais se interessa em pregar a mensagem profética que condena o pecado, mas somente aquilo que agrada o povo.

4) A ênfase está na prosperidade e nos bens terrenos, daí a sórdida ganância ser o espírito reinante nas assembléias.

5) Promove a injustiça ministerial e social, pagando salários altíssimos aos lideres a custa do dizimo do pobre, enquanto milhões de pessoas passam fome, enquanto os missionários sobrevivem de escassos salários em terras distantes.

6) Não existe mais separação do mundo.

7) A bíblia não é mais pregada expositivamente, os dons e as manifestações sobrenaturais como revelações e profecias e manifestações estranhas, ocupam o espaço do culto.

8) Musica barulhenta e manipulação psico-emocional são marcas distintas, nas igrejas apostatas.

9) Seus membros passam a sofrer lavagem cerebral ao invés de experimentar o novo nascimento.

10) Geralmente há uma abertura para o dialogo inter-religioso (neoecumenismo) e seus lideres estão envolvidos com sociedade.

Por; Márcio da silva

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

UM DESAFIO QUE DEVEMOS LEVAR A SÉRIO

Preservando a Identidade da Igreja - Pb. José Roberto A. Barbosa

Publicado em 22 de Agosto de 2011 as 09:15:03 AM Comente

Texto Áureo: II Co. 11.3 - Leitura Bíblica: At. 20.25-32

Pb. José Roberto A. Barbosa

http://www.subsidioebd.blogspot.com/

Twitter: @subsidioEBD

Objetivo: Mostrar aos alunos a necessidade da preservação da identidade da igreja, em conformidade com os princípios bíblicos.

INTRODUÇÃO

Um dos grandes desafios da Igreja, ao longo da sua história, foi o de preservar sua identidade. Em várias ocasiões, desde os primórdios, a Igreja sofreu ameaças que visavam comprometer seu real chamado. Nos dias atuais não tem sido diferente, a Igreja do Senhor Jesus, do mesmo modo que a igreja primitiva, precisa se manter fiel aos princípios apostólicos. Na aula de hoje estudaremos a respeito da preservação da identidade da Igreja, mas antes, definiremos, bíblico-teologicamente, as expressões neo-testamentárias associadas à igreja, em seguida, meditaremos sobre as características identitárias fundamentadas na Palavra de Deus.

1. IGREJA, EXPRESSÕES BÍBLICO-TEOLÓGICAS

No Novo Testamento existem diferentes expressões para definir Igreja. A palavra ekklesia, no contexto social, indicava a assembléia dos cidadãos que foram chamados por um arauto. Etimologicamente, esse é um termo composto de uma preposição ek (para fora) e de um verbo kaleo (chamar, convocar). Portanto, a igreja, no sentido originário da palavra, é constituída por aqueles que foram chamados para não se moldar ao mundo (Rm. 12.2) e caminhar para o alvo, que é Cristo (Fp. 3.14). A igreja também é o povo de Deus, conforme expressa o apóstolo Pedro (I Pe. 2.9,10), definindo-a como “geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo (laos em grego) exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”. A Igreja é apresentada como uma comunhão (koinonia em grego), um povo que vive em participação, semelhantemente a uma família, por essa razão, somos identificados como filhos do Pai e irmãos em Cristo (I Jo. 1.3). A Igreja primitiva de Jerusalém foi marcada pela realidade da koinonia (At. 2.42). A igreja é também o Corpo de Cristo, sendo assim, ela deve responder à Cabeça, que é Cristo (Cl. 2.19; Ef. 4.15,16,24). Essa condição contribui para sua unidade (Jo. 17.11; I Co. 1.10), ainda que na diversidade (I Co. 12-14; Rm. 12; Ef. 4; I Pe. 4.10). Como corpo saudável, a igreja deva buscar crescimento espiritual, caso contrário, permanecerá carnal (I Co. 3.2; 12.27) e procurar os melhores dons para a edificação do Corpo (I Co. 12.11,31; 14.1), sem esquecer do amor, o caminho sobremodo excelente (I Co. 13). A maturidade espiritual deve ser o alvo principal do Corpo, a fim de que todos possam alcançar a estatura adulta e a plenitude de Cristo (Ef. 4.13-16). A Igreja é a Noiva de Cristo, tendo em vista que o Novo Testamento revela Deus como um Pai que busca uma noiva para seu filho (Mc. 1.11; 9.7; 12.6; Ef. 5.27). Em resposta à fidelidade do Esposo, a igreja precisa demonstrar fidelidade (II Tm. 2.13; II Tm. 4.7), pureza (Ap. 19.7; Ef. 5.26,27; I Co. 11.2) e amor ao Seu Amado (Ap. 2.4,5; Ef. 3.18,19; 5.2; 25-27; Os. 2). A Igreja é templo, santuário e edifício de Deus, isso mostra que essa se encontra em processo de construção, e que Cristo é Seu alicerce (Mt. 16.18; I Co. 3.11; Ef. 2.20-22; I Pe. 2.4,5), sendo Deus o Arquiteto e Proprietário (I Co. 3.16).

2. A IDENTIDADE DA IGREJA

A identidade da igreja diz respeito às suas características bíblicas, a razão de ser igreja. Reconhecer que a igreja deva ter uma identidade significa, ao mesmo tempo, distinguir a Igreja de Jesus, das não-igrejas, isto é, dos movimentos que se diferenciam dos padrões genuinamente bíblicos. Antes de qualquer equívoco, é preciso destacar que igreja não um espaço físico, nem mesmo uma estatística. Sendo assim, não podemos confundir o templo, por mais simples ou suntuoso que seja, com a igreja, muito menos o total de membros que uma determinada agremiação religiosa. A Igreja é um povo unido que se submete à Cabeça que é Cristo, uma família que vive em união, com vistas à adoração e à gloria do Senhor. A identidade de uma igreja que é cristã deva levar em conta os seguintes aspectos: 1) ela não é perfeita, mas se esforça para caminhar em santificação, na luta contra os desejos desenfreados, os enganos do mundo, da carne e do Diabo (I Jo. 3.2); 2) demonstra interesse de ouvir a Palavra de Deus, por isso, uma igreja autêntica, ainda que não seja perfeita, se interessa por aprender mais de Deus, valoriza menos os movimentos superficiais e mais a exposição bíblica (II Tm. 4.2-4); 3) os ministradores de uma igreja genuína privilegiam a mensagem expositiva, eles se submetem ao crivo do texto bíblico, ao invés de reforçarem suas posições a partir de versículos isolados da Escritura (Lc.24.27; At. 6.4; Ef. 6.19,20); 4) se preocupa com a ortodoxia bíblica, isto é, não apenas em agir corretamente, a ortopraxia, mas também em fundamentar suas atitudes na doutrina bíblica, por isso, não tem receio de ser avaliada à luz da Palavra (Tt. 1.9,13; 2.1); e 5) expõe o evangelho de Jesus Cristo em sua essência, sem desprezar a mensagem da Cruz, loucura para o sábios, salvação para aqueles que se arrependem e crêem (I Co. 1.18).

3. PRESERVANDO A IDENTIDADE DA IGREJA

A preservação da identidade da igreja se dá, prioritariamente, pela observância dos princípios bíblicos. Na igreja cristã, a autoridade central é a Palavra de Deus, diferentemente da Igreja Romana, que elegeu a tradição como fundamento; e do liberalismo teológico, que submete a fé à razão. A igreja cristã, seja ela pentecostal ou reformada, não pode esquecer a máxima da Reforma Protestante: ecclesia reformata semprer reformanda, isto é, igreja reformada e sempre desejando ser reformada. A reforma na igreja não se baseia no pensamento humano, ainda que não possa desprezar as contribuições teológicas, mas na norma que é a Bíblia, a Palavra de Deus. A preservação da identidade da igreja, a Ekklesia, é estabelecida a partir da perseverança na doutrina dos apóstolos, na comunhão e no partir do pão (At. 2.42-44) e na prática do amor, como característica marcante dos seguidores de Jesus (Jo. 13.35). Paulo, em suas epístolas, demonstrou zelo pela preservação da identidade da igreja do Senhor Jesus, dentre elas destacamos: I Coríntios - corrigir os partidarismos, excessos e carnalidades; Gálatas - advertir quanto às práticas judaizantes que comprometiam o evangelho de Cristo; Colossences - rejeitar a adoração aos anjos, crença gnóstica que inferiorizava a pessoa de Cristo; I Tessalonicenses - orientar os irmãos quanto à bendita esperança, tanto para os que estão vivos quanto para os que dormem no Senhor; e I Timóteo, II Timóteo e Tito - recomendações pastorais a fim de manter a sã doutrina e a vida piedosa. As palavras de Jesus, dirigidas às igrejas da Ásia Menor, registradas por João nos capítulos iniciais do Apocalipse (Ap 2-3), servem de corretivo para que a igreja tenha mantenha sua identidade.

CONCLUSÃO

Crise de identidade, essa é a situação das igrejas evangélicas brasileiras. O crescimento do número de adeptos ao movimento evangélico resultou na existência de um fenômeno sociológico: os evangélicos nominais, ou seja, de pessoas que se dizem evangélicas, mas que não se comprometem, ou na verdade, desconhecem os princípios do evangelho de Cristo. Cristãos nominais geram igrejas nominais, com identidades líquidas, diluídas pelo mundanismo, distanciadas da Palavra de Deus. Diante de tal situação, cabe à Igreja evangélica brasileira perguntar-se, constantemente, pela sua identidade bíblica, para tanto, não pode esquecer de onde veio, onde se encontra e para onde está indo.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

SÉRA A MORTE UM SONO

A MORTE É UM SONO

1. Como se interpreta 1 Ts 4.13 que os mortos dormem. Significa isso que a morte é um sono?

Os adventistas do sétimo dia negam a sobrevivência da alma por ocasião da morte do corpo. Dizem, A Morte é um Sono. Morte não é aniquilação completa; é apenas um estado temporário de inconsciência enquanto a pessoa aguarda a ressurreição. A Bíblia identifica repetidamente esse estado intermediário como um sono.(NISTO CREMOS, p. 457 – 1a edição - CPB)

Dizem mais, Para o cristão a morte não é mais que um sono, um momento de silêncio e escuridão.(Subtilezas do Erro, 1ª edição, p. 272, Arnaldo Christianini, CPB)

2. O que dizem sobre Lc 16.19-31 quando Jesus narra os acontecimentos com o Rico e o Pobre: essa passagem bíblica prova a consciência da alma depois da morte?

Na tentativa de salvaguardar sua doutrina da inconsciência da alma, os adventistas se valem de tudo. Vejamos o que disse o escritor Arnaldo Christianini com relação a Lc 16.19-31, onde Jesus falou da consciência da alma após a morte física tanto de Lázaro, no paraíso, em estado de consolo consciente; como do rico, em estado de tormento consciente no Hades.

Fosse real, não conteria enredo eivado de idéias pagãs...Eram idéias populares nos dias de Jesus, mas não eram conceitos bíblicos.... Jesus, como recurso didático, serviu-Se de idéias populares, embora errôneas, para chegar a conclusões corretas. (Subtilezas do Erro, p. 255, 1ª edição, CPB, Arnaldo Christianini).

Imaginem só: Jesus se utilizou se de enredo eivado de idéias pagãs, de idéias populares, embora errôneas, mas não eram conceitos bíblicos. Atribuir isso a Jesus, é o cúmulo da blasfêmia e só pode admitir tal conceito quem está transtornado por idéias preconcebidas sem apoio bíblico. Ajustam-se tais pessoas ao que disse o profeta Ezequiel quando o modo de pensar não está apoiado na Bíblia e aí se insurgem com ensinos estapafúrdios admitindo que, como recurso didático, Jesus usasse de enredo de idéias pagãs,

No entanto, dizeis: O caminho do Senhor não é direito. Ouvi, agora ó casa de Israel: Porventura não é o meu caminho direito? Não são os vossos caminhos tortuosos? (18.25). Senhores adventistas: o ensino do sono da alma apregoado por Ellen G. White não é direito, não obstante a cultura religiosa de quem escreveu o livro Subtilezas do Erro.

O SENTIDO DA PALAVRA MORTE

3. Qual é realmente o significado da palavra morte? Significa aniquilamento ou inconsciência?

A palavra morte não tem o sentido de inconsciência. A palavra morte é a tradução da palavra grega thanatos e tem o sentido de separação. Embora discordem desse opinião, declaram com relação ao pecado de Adão e Eva quando no Éden desobedeceram a Deus tomando do fruto proibido. Afirmam os adventistas, “Mas depois de haverem transgredido a ordem divina, Adão e Eva descobriram que o salário do pecado é realmente a morte.”(NISTO CREMOS, p. 457, CPB). Morreram Adão e Eva no sentido em que os adventistas interpretam a palavra morte – ‘um estado temporário de inconsciência enquanto a pessoa aguarda a ressurreição’? Ou eles mesmos reconhecem que não ocorreu a morte nesse sentido de inconsciência?

Dizem, “Foi tão-somente a misericórdia de Deus que protegeu Adão e Eva da morte imediata.” (NISTO CREMOS, p. 457, CPB). Mas Deus não havia dito que, ... “no dia em que dela comeres, certamente morrerás”? (Gn 2.17). Ocorreu realmente a morte física do casal? Não! Deus mentiu? Não! O que realmente ocorreu? Morreram sim naquele mesmo dia pois foram postos fora da comunhão com Deus (Gn 3.8,9) e fora do Jardim do Eden (Gn 3.24). Fisicamente, Adão veio morrer com 930 anos. (Gn 5.5). Logo, a palavra morte pode ser empregada como separação e esta separação de Deus ocorreu naquele mesmo dia. Esta morte é a que tem passado a toda humanidade. Mesmo o homem vivendo fisicamente, até o dia em que venha a morrer fisicamente. Vejamos o emprego da palavra morte no sentido de separação espiritual de Deus:

4. Como se interpretam as palavras de Jesus Segue-me. Deixa aos mortos, sepultar os seus mortos.(Mt 8.22)

Jesus, porém, disse-lhe: Segue-me. Deixa aos mortos, sepultar os seus mortos.(Mt 8.22)

Porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado.(Lc 15.24)

E vos vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados.(Ef 2.1)

Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos) (Ef 2.5)

A que se entrega aos prazeres, mesmo viva, está morta. (1 Tm 5.6)

Nós sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. Quem não ama a seu irmão permanece na morte.(1 Jo 3.14)

Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives e estás morto. (Ap 3.1)

O SENTIDO DA PALAVRA ALMA


5. Qual o sentido da palavra alma encontra várias vezes na Bíblia?

O conceito dos adventistas acerca da natureza da alma é tão grave que se dão ao luxo de afirmar, “O que o homem possui é o ‘fôlego de vida’ ou ‘vida’(o que dá animação ao corpo) que lhe é retirado por Deus, quando expira. E o fôlego é reintegrado no ar, por Deus. Mas não é entidade consciente ou o homem real como querem os imortalistas. (Subtilezas do Erro, p. 249, 1ª edição, Arnaldo Christianini - CPB)

Entretanto, a palavra alma é a tradução da palavra hebraica nephesh e da palavra grega psyche e usada em vários sentidos na Bíblia. É como a palavra leite. Há pelo menos três sentidos em que se emprega a palavra leite na Bíblia.

a) a palavra leite em seu sentido literal como alimento liquido, branco, Tomou também coalhada e leite... (Gn 18.8)

b) a palavra leite em sentido de bênção material, Se o Senhor se agradar de nós, então nos porá nesta terra e no-la dará, terra que mana leite e mel.(Nm 14.8)

c) a palavra leite em sentido de alimento espiritual, Desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo. (1 Pe 2.2)

Do mesmo modo, a palavra alma é empregada com vários sentidos: um sentido literal e dois sentidos ou mais figurados.

a) a palavra alma, empregada com o sentido literal de entidade consciente e inteligente e que sobrevive a morte do corpo:

1. alma sobrevive à morte do corpo e se retira quando o corpo morre, Ao sair-lhe a alma (porque morreu), deu-lhe o nome de Benoni...(Gn 35.18);

2. ao ressuscitar o corpo, a alma retorna ao corpo, Ó Senhor, meu Deus, rogo-te que a alma deste menino tornar a entrar nele. O Senhor atendeu à voz de Elias: e a alma do menino tornou a entrar nele, e reviveu; a alma não pode morrer com o corpo, Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei, antes, aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo. (Mt 10.28);

6. Para onde vai a alma do cristão por ocasião da sua morte física?

3. a alma do cristão vai estar com Cristo no céu, Quando ele abriu o quinto selo, vi, debaixo do altar, as almas daqueles que tinham sido mortos por causa da palavra de Deus e por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho que sustentavam. Clamaram em grande voz, dizendo: Até quando, ó Soberano Senhor, santo e verdadeiro, não julgas, nem vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra? Então, a cada um deles foi dada uma vestidura branca, e lhes disseram que repousassem ainda por pouco tempo, até que também se completasse o número dos seus conservos e seus irmãos que iam ser mortos como igualmente eles foram. (Ap 6.9-11)

b) a palavra alma empregada com o sentido figurado de pessoa: Todas as pessoas(almas) da casa de Jacó, que vieram para o Egito, foram setenta. (Gn 46.27); Todas as pessoas (almas), pois, que descenderam de Jacó foram setenta... (Ex 1.5); Estávamos no navio duzentas e setenta e seis pessoas (almas) ao todo. (At 27. 37)

c) a palavra alma empregada com o sentido figurado de vida: E certamente requererei o vosso sangue, o sangue das vossas vidas. (Gn 9.5); Escapa-te por tua vida. (Gn 19.17)

Entretanto, alma e vida são expressões distintas, Para desviar a sua alma da cova, e a sua vida de passar pela espada.(Jó 33.18); E a sua alma se vai chegando à cova, e a sua vida ao que traz morte.(Jó 33.22).

O SENTIDO DA PALAVRA DORMIR


7. Qual o sentido da palavra dormir: dormir se aplica ao corpo ou a alma?

A palavra dormir é a tradução da palavra grega koimaomai é usada em três sentidos:

1) para referir-se ao sono natural do corpo, Dizei: Vieram de noite os seus discípulos e, dormindo nós, o furtaram.(Mt 28.13): E, levantando-se da oração, veio para os seus discípulos, e achou-os dormindo de tristeza (Lc 22.45)

2) para referir-se à morte do corpo :E abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos que dormiam foram ressuscitados (Mt 27.52): Lázaro, o nosso amigo, dorme, mas vou despertá-lo do sono. (Jo 11.11); Lázaro , está morto. (Jo 11.14); Marta, irmã do defunto, disse-lhe: Senhor, já cheira mal., porque é já de quatro dias. (Jo 11.39).

3) A expressão “dormir no Senhor” é empregada apenas para os cristãos. Não quero porém irmãos que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais que não têm esperança, porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem, Deus os tornará a trazer com ele. (1 Ts 4.13, 14)

8. Sobre 1 Ts 4.13-14 é um texto meio difícil de se interpretar porque dá a impressão de que na morte o homem realmente dorme. Qual a sua opinião?

4) A palavra chave para o entendimento de 1 Ts 4.13,14 está na preposição grega sun (com) no v. 14. Declara que Deus os tornará a trazer com ele (sun auto), isto é, com Jesus na sua vinda, os que já provaram a morte física. Seus corpos são descritos como dormindo, uma linguagem de metáfora comum no Novo testamento para referir-se ao corpo nunca ao espírito e alma (Mt 27.52). A segunda vez que se usa sun (com) é no v. 17, referindo-se aos que sobrevivem até à vinda de Cristo e serão arrebatados juntamente com eles (sun autois). Isto é, com os mortos em Cristo (oi nekron en Christo) a encontrar o Senhor nos ares. Aqui, de novo, sun (com) não tem outro sentido senão juntamente com . A última vez que se usa a preposição sun é encontrada ainda no v. 17 e assim estaremos sempre com o Senhor (sun Kurio). É óbvio pois que aqueles que partiram estão com Cristo (Fp 1.21-23) retornarão com ele, ... na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo com todos os seus santos. (1 Ts 3.13). Com isso, se dará a ressurreição de seus corpos imortalizados e incorruptíveis. Esses corpos, descritos como dormindo, serão instantaneamente metamorfoseados. Os primitivos cristãos se utilizaram da palavra koimaterion, usada como sinônimo de casa de repouso para estrangeiros para indicar o lugar de repouso dos que já tinham morrido (cemitério ou dormitório), onde os corpos jaziam.

A ESPERANÇA DOS ADVENTISTAS NO ESTADO INTERMEDIÁRIO


9. Para o adventista qual é a esperança no chamado estado intermediário entre a morte e a ressurreição do corpo?

Para o cristão a morte não é mais que um sono, um momento de silêncio e escuridão.(Subtilezas do Erro, 1ª edição, p. 272, CPB) Repetimos o que afirmam, um momento de silêncio e escuridão. Dizemos nós, um momento que pode durar centenas ou milhares de anos. Diante disso, por acaso preciso crer:

1. que os redimidos no céu estão experimentando fartura de alegrias e delícias perpetuamente, enquanto dormem? Far-me-ás ver a vereda da vida; na tua presença há fartura de alegrias; à tua mão direita há delícias perpetuamente (Sl 16.11)

2. que o homem rico, depois de sua morte, estava em tormentos, clamava, rogava (Lc 16.23), dormindo? E no inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão, e Lázaro no seu seio. E que Lázaro era CONSOLADO enquanto dormia? Disse porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro somente males; e agora este é consolado e tu atormentado... (v.25), enquanto dormiam?

3. que, logo que nos ausentamos do corpo estaremos presentes com o Senhor, deleitando-nos com uma maravilhosa comunhão com ele, enquanto estamos no corpo, vivemos ausentes do Senhor, Mas temos confiança e desejamos antes deixar este corpo, para habitar com o Senhor... (2 Co 5.6,8), enquanto dormimos?

4. que a morte, para nós, os cristãos, será lucro e muito melhor do que qualquer coisa que tenhamos experimentado aqui na terra, Para mim, o viver é Cristo, e o morrer é ganho... tendo desejo de partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda melhor... (Fp 1.21-23), embora estejamos adormecidos?

5. que a congregacão dos primogênitos inscritos no céu, A universal assembléia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus... (Hb 12.23) é uma igreja de adormecidos?

6. que as almas, debaixo do altar, clamam com alta voz, Até quando, ó verdadeiro e santo Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra... (Ap 6.10), embora estejam dormindo?

QUANDO RECEBEMOS VIDA ETERNA?


10. Quando recebemos a vida eterna? É possessão presente ou futura?

Vida eterna – dádiva de Deus para os homens não deve ser confundida com as palavras imortalidade ou incorruptibilidade. Vida eterna é uma possessão presente, enquanto imortalidade e incorruptibilidade são possessões futuras. Na verdade na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida. (Jo 5.24)

Por meio de Cristo somos tornados filhos de Deus, a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome (Jo 1.12) Todo aquele que crê que Jesus é o Cristo, é nascido de Deus... 1 Jo 5.1); somos justificados pela fé, Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo (Rm 5.1; e já não existe nenhuma condenação, PORTANTO, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus... (Rm 8.1); temos salvação e gozamos de vida eterna, E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna e esta vida está em seu Filho. Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o filho de Deus não tem a vida. Estas coisas vos escrevi a vós, os que credes no nome do Filho de deus, para que saibais que tendes a vida eterna...(1 Jo 5.11-13)

O homem pode ter existência física e não possuir vida eterna. Vida eterna é uma condição de vida de comunhão com Deus que não sofre solução de continuidade quando ocorre a morte física. A vida eterna nos é concedida como resultado da aceitação de Cristo como Salvador único e pessoal.

IMORTALIDADE E INCORRUPTIBILIDADE


11. Quando o homem possuirá a imortalidade e a incorruptibilidade. Agora ou futuramente?

Imortalidade é definida pelos adventistas da seguinte forma, Imortalidade é o estado ou qualidade daquilo que não está sujeito à morte. Os tradutores das Escrituras usaram a palavra imortalidade para traduzir os termos gregos athanasia, ‘ausência de morte’, e aphtharsia, ‘incorruptibilidade’. (NISTO CREMOS, p. 454 CPB)

Essa imortalidade e incorruptibilidade, nós a receberemos na ocasião da vinda de Jesus, como se lê em 1 Co 15.51-53,

Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados; Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. Porque convém que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade, e que isto queo é mortal se revista da imortalidade. E, quando isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então cumprir-se-á a palavra que está escrita: Tragada foi a morte na vitória. Assim, hoje já desfrutamos de vida eterna. Vida eterna hoje e futuramente gozaremos de imortalidade e incorruptibilidade quando se der o arrebatamento da igreja em ocasião não conhecida.

sábado, 11 de junho de 2011

Devemos ou não guarda o Sábado

A Sra. Ellen G. White escreve sobre a obrigatoriedade de guardar-se o Sábado como meio de salvação, vejamos:

“Santificar o Sábado ao Senhor importa em salvação eterna” . (EG White; Testemunhos Seletos, vol. III; Ed. Casa Publicadora; Tatuí – SP; 1956, pág.22). “O Pr. Bates, o apóstolo da verdade sobre o sábado, tomou a liderança em advogar a obrigatoriedade da guarda desse dia” (EG White, Primeiros Escritos, Editora Casa Publicadora, Tatuí – SP; 1995, Prefácio Histórico XXII).

“Foi-me mostrada então uma multidão que ululava em agonia. Em suas vestes estava escrito em grandes letras: Pesado foste na balança, e foste achado em falta. Perguntei (ao anjo) quem era aquela multidão. O Anjo disse: Estes são os que já guardaram o sábado e o abandonaram” (EG White, Primeiros Escritos, Editora Casa Publicadora, Tatuí – SP; 1995, pág.37)


A posição que essa escritora goza no meio adventista é impar. Somente ela possui o “Espírito da Profecia”. Não só os adventistas reconhecem sua autoridade religiosa inquestionável, mas a própria escritora declara de si mesma: “Nos tempos antigos, Deus falou aos homens pela boca de seus profetas e apóstolos. Nestes dias Ele lhes fala por meio do testemunho do Seu Espírito. Não houve ainda um tempo em que mais seriamente falassem a Seu povo a respeito da sua vontade...” (Testemunhos Seletos – Vol.II, pág.276).(Ou seja, a autora se coloca acima dos próprios apóstolos de Cristo quando declara que no seu tempo, o tempo em que ela tinha as suas “revelações”, Deus falava mais seriamente.) Assim quando os Adventistas (daqui pra frente ADV) teimam que a guarda do Sábado é indispensável para nossa salvação, não é porque estejam estribados na verdade Bíblica, mas sim nas alucinações da Sra. E.G. White. Essa cidadã declara que a guarda do Sábado constitui o selo entre Deus e o seu povo nos dias atuais: “Que é, pois, a mudança do Sábado, senão o sinal da autoridade da igreja de Roma – “a marca da besta”; “O selo da lei de Deus se encontra no quarto mandamento... Os discípulos de Jesus são chamados a restabelecê-lo, exaltando o Sábado...”(Livro: O Grande Conflito, Ed. condensada, 1992, pag. 267 e 269)”.

Diante do exposto, fica claro que não é assim como alguns pastores afoitamente declaram que, entre nós e os ADV, só o que nos separam é a guarda do Sábado, como se fosse questão secundária. Parra nós sim, é questão secundária (Rm. 14:5-6). Para os ADV não: é questão de salvação ou perdição. Para os ADV a guarda do Sábado é o sinal que separa sua igreja, a verdadeira e única, das igrejas falsas, que são as denominações evangélicas, embora trabalhem nelas para distribuição das publicações da Casa Publicadora, vender discos, fitas K7 e todas suas mercadorias. Ingenuidade dos pastores que permitem seus púlpitos serem usados pelos obreiros adventistas, admitindo que somos todos iguais. Não sabem os pastores que além da guarda do Sábado como ponto central de suas conversações, os ADV têm outras doutrinas estranhas ensinadas pela Sr. White e abonadas pelos ADV, tais como: Juízo investigativo (a redenção incompleta de Cristo); o bode emissário ou Azazel como tipo da obra de Satanás de remover nossos pecados; o aniquilamento dos ímpios o sono da alma; a Igreja remanescente caracterizada pelo Dom de profecia de E.G. White e a guarda do Sábado; a natureza pecaminosa de Jesus; adoração a Deus no Domingo como sinal da Besta; proibição de vários alimentos; etc...


A DIVISÃO DA LEI

Os ADV, para imporem a obrigatoriedade da guarda do Sábado, se valem de argumentos infundados estabelecendo uma distinção entre a Lei Moral e Lei Cerimonial, Lei de Deus e Lei de Moisés, dizendo que a Lei Moral ou lei de Deus se restringe aos 10 mandamentos e continuará para sempre, e que a Lei de Moisés ou Lei cerimonial abrange o Pentateuco escrito por Moisés e foi abolida.

Essa distinção é imprópria e inescriturística, mas de grande valia para os ADV, pois, ao afirmarem que a Lei Moral consiste somente dos 10 mandamentos, e naturalmente isto implica na guarda do Sábado que é o quarto mandamento do decálogo. Não se pode negar que, na lei dada por Deus a Moisés (toda ela), existiam preceitos morais, cerimoniais e civis, mas, estão redondamente enganados os ADV quando afirmam que os preceitos morais da lei se restringem aos 10 mandamentos, porque, tanto dentro dele, como fora, se encontra preceitos morais e cerimoniais. Essa divisão feita pelos ADV é tão esdrúxula que eles próprios reconhecem essa falácia, ao dizerem: “Seria útil classificarmos as leis do Velho Testamento em várias categorias: 1) Moral; 2) Cerimonial; 3)Civil; 4) Estatutos e juízos; 5) Leis de Saúde”. Esta classificação é em parte artificial” (Lições da escola Sabatina, p.18 de 08/01/1980). Realmente é artificial essa divisão, sem qualquer apoio bíblico, mas fundamental para impor a guarda do Sábado na doutrina Adventista.


A LEI DE MOISÉS

A Bíblia declara que só há um legislador e este é Deus: “Porque o Senhor é o nosso Juiz; o Senhor é o nosso Legislador” (Is.33:22; Tg.4:12) Se há um só legislador afirmamos, com segurança, que essa suposta distinção entre lei de Deus(os 10 mandamentos) e Lei de Moisés (O Livro da lei) não resiste a uma pesquisa bíblica, porque indistintamente a mesma Lei é chamada de Lei de Deus e Lei de Moisés, porque Deus a deu por meio dele, e não que sejam duas leis distintas como ensinadas pelos ADV. Vamos a um teste:

- “E chegado o sétimo mês, e estando os filhos de Israel nas suas cidades, todo o povo se ajuntou como um só homem, na praça, diante da porta das águas; e disseram a Esdras, o escriba, que trouxesse o Livro da Lei de Moisés”(Ne.8:1).
Observe a expressão “o livro da Lei de Moisés”. Este mesmo livro, denominado de “Lei de Moisés” é, a seguir, assim chamado: “E leram no livro, na Lei de Deus; e declarando e explicando o sentido, faziam que, lendo, se entendesse”; “E acharam escrito na Lei que o Senhor ordenará, pelo ministério de Moisés, ...”(Ne.8:8; 8:14). Como se vê, o livro da Lei é chamado indistintamente de “Lei Moisés” e de “Lei de Deus” sempre se tratando das mesmas leis e não de leis distintas. É falacioso o argumento dos ADV sobre a divisão da Lei. Essa farsa não resiste a uma análise séria sobre a palavra Lei na Bíblia, mas, que vulgarmente foi imposta a pelos ADV, para sustentar a obrigatoriedade da guarda do Sábado.

Vejam como os próprios ADV se contradizem sobre esse assunto:
“A lei cerimonial só descreve prescrição sobre holocausto, ofertas, formalidades sacerdotais, rituais do santuário, festas anuais, luas novas, circuncisão, abluções, manjares, etc.” (livro: “Sutilezas do Erro, p.70, 1Ed.1965). Mas se contradizendo, afirmam o seguinte:“Verdade é que em outras partes da Bíblia se encontram preceitos morais” (idem p.76). Encontramos preceitos morais nas seguintes referências bíblicas: “Não afligiras o forasteiro, nem o oprimirás”; “a nenhuma viúva nem órfão afligireis”(Êx.22:21,22); “Não seguirás a multidão para fazeres mal; nem deporás, numa demanda, inclinando-te para a maioria, para torcer o direito”(Êx.23:2); “...Santo sereis, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo”; “Não andarás como mexeriqueiro entre teu povo: não atentarás contra a vida do teu próximo...”; “Não te vingarás nem guardarás irá contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo...”( Lv.19:2,16,18). “Não torcerás a justiça, não farás acepção de pessoas, nem tomarás suborno; porquanto o suborno cego os olhos dos sábios e subverte a causa dos justos; “Perfeito serás para com o Senhor teu Deus” (Dt.16:19; 18:13)

Estes mandamentos devem ser considerados cerimoniais só porque Deus não os escreveu em pedras, dando-os a Moisés para que fossem escritos num livro?

Depois afirmam os ADV:“Os judeus usavam o termo “Lei” para referir-se a todo o corpo de revelações de Deus dadas por intermédio de Moisés. Denominavam os primeiros cinco livros do V.T. “A Lei” (A Torah)” (Lições da Escola Sabatina, p.56, 27/01/80). E acrescentam ainda: Note que a “Lei de Moisés”, nas Escrituras, refere-se a todas as leis dadas por meio de Moisés – cerimonial, moral e civil... “A Lei de Moisés” (Hb.10:28) incluía os Dez Mandamentos”(Lições da escola sabatina, lições de adultos/professor, p.11 de abril – junho de 1990).


OS DOIS CONCERTOS

A Bíblia fala do Concerto da Lei – conhecido como o Antigo Concerto, Antiga Aliança, Antigo Pacto ou Velho Testamento e o Novo Concerto, ou Nova Aliança, também conhecido como o tempo da Graça. Os 10 mandamentos são encontrados dentro do Antigo Concerto e assim quando os ADV nos interrogam por que não guardamos o Sábado – que é o quarto mandamento – respondemos que o Sábado está tão integrado dentro do decálogo, quanto o decálogo, por sua vez, está integrado no Antigo Testamento. Este, segundo a Bíblia, foi abolido e substituído pelo Novo Concerto – O concerto da graça.

Vejamos então as provas bíblicas segundo as quais os 10 mandamentos integravam o Antigo Concerto: “Então o Senhor vos falou do meio do fogo; e a voz das palavras ouviu, porém, além da voz, não viste semelhança nenhuma. Então, vos anunciou ele o seu concerto, que vos prescreveu, os dez mandamentos, e os escreveu em duas tábuas de pedra” (Dt.4:12-13). “Subindo eu ao monte a receber as tábuas de pedra, as tábuas do concerto que o Senhor fizera convosco, então fiquei no monte quarenta dias e quarenta noites; pão não comi, e água não bebi; e o Senhor me deu as duas tábuas de pedra, escritas com o dedo de Deus, aquelas palavras que o Senhor tinha falado convosco no monte, do meio do fogo, estando reunido todo povo” (Dt.9:9-10).
“Disse mais o Senhor a Moisés: Escreve estas palavras; porque conforme ao teor destas palavras tenho feito concerto contigo e com Israel. E esteve ali com o Senhor quarenta dias e quarenta noites; não comeu pão, nem bebeu água, e escreveu nas tábuas as palavras do concerto, os dez mandamentos.(Êx.34:27,28).
“Nela pus a arca em que estão as tábuas da aliança que o Senhor fez com Israel (IICr.6:11)
“...Nada havia na arca senão só as duas tábuas, que Moisés ali pusera junto a Horebe, quando o Senhor fez aliança com os filhos de Israel” (IICr.5:10)
“Então falou Deus todas estas palavras, dizendo...” (Êx.20:1).


Desde o vrs.2 até o vrs.17 de Êx., Deus falou audivelmente as palavras dos 10 mandamentos. Desde Êx.21 ao 24, por meio de Moisés, Deus deu ao povo leis civis, morais e cerimoniais (que é a Lei), as quais vieram também integrar o Antigo Concerto.

“Vindo, pois Moisés, e contando ao povo todas as palavras do Senhor e todos os estatutos, então o povo respondeu a uma voz, e disseram: todas as palavras que o Senhor tem falado faremos. E Moisés escreveu todas as palavras do Senhor, e levantou-se pela manhã de madrugada, e edificou um altar ao pé do monte, e doze monumentos, segundo as doze tribos de Israel” (Êx.24:1-3).

No vrs.3 diz que Moisés referiu ao povo todas as palavras do Senhor e todos estatutos comunicados a Israel por meio de Moisés. E o povo respondeu: “Tudo que o Senhor tem falado faremos, e obedeceremos”. Com certeza se a Lei fosse só o decálogo o povo não iriam querer obedecer a tantas ordenanças como bem se submeteram. Então, tomou Moisés aquele sangue, e espargiu-o sobre o povo (Êx.24:7-8). O escritor da epístola aos Hebreus se reporta ao primeiro concerto dizendo: “Pelo que também o primeiro não foi consagrado sem sangue; por que havendo Moisés anunciado a todo povo todos os mandamentos segundo a lei”(Hb.9:18); “Portanto, por um lado, se revoga a anterior ordenança(ou mandamentos), por causa de sua fraqueza e inutilidade”(Hb.7:18, parêntese nosso)


A ABOLIÇÃO DO ANTIGO CONCERTO PROFETIZADA

Por intermédio do profeta Jeremias Deus anunciou um Novo Concerto, desde que o povo de Israel, que havia prometido tão prontamente observar os mandamentos do Antigo Concerto não o fez, invalidando assim aquele concerto. Fizeram um bezerro de ouro e se prostraram diante dele, adorando-o, o que constituiu a quebra do concerto (Êx.32:21).

Vejamos também Jr.31:31-34: “Eis que vem, diz o Senhor, em que farei um concerto novo com a casa de Israel e com a casa de Judá. Não conforme o concerto que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; porquanto eles invalidaram o meu concerto, apesar de eu os haver desposado, diz o Senhor. Mas este é o concerto que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração( e não na pedra) e eu serei seu Deus e eles serão o meu povo. E não ensinará alguém mais o seu próximo, nem alguém a seu irmão, dizendo: Conhecei ao Senhor, porque todos me conhecerão, desde o mais pequeno deles até ao maior, diz o Senhor; porque perdoarei a sua maldade, e nunca mais me lembrarei dos seus pecados” (Jr. 31:31-34)

Vimos que o profeta Jeremias profetizou sobre o Antigo Concerto. Agora, vejamos o profeta Zacarias declarou sobre o mesmo: “E tomei a minha vara Suavidade, e a quebrei, para desfazer o meu concerto , que tinha estabelecido com todos estes povos” (Zc.11:10). Com essas palavras Zacarias figuradamente contempla a abolição do Antigo Concerto celebrando com as doze tribos de Israel (Dt.33:1-4; Êx.24:4-8). Zacarias continua: “E eu disse-lhes: Se parece aos vossos olhos, dai-me o que me é devido: e, se não, deixai-o. E passaram o meu salário, trinta moedas de prata” (Zc.11:12). Compare com Mt.27:3-10, Cl.2:14-17.


A ABOLIÇÃO DO ANTIGO CONCERTO CONFIRMADA

A abolição do Antigo Concerto é declarada pelo escritor do livro de Hebreus, nestas palavras: “Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente quanto é mediador dum melhor concerto, que está confirmado em melhores promessas. Porque, se aquele primeiro fora irrepreensível (o velho pacto contendo inclusive os 10 mandamentos), nunca se teria buscado lugar para o segundo. Porque, repreendendo-os, lhes diz: Eis que virão dias, diz o Senhor em que com a casa de Israel e com a casa de Judá estabelecerei um Novo Concerto. Não segundo o concerto que fiz com seus pais no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; como não permaneceram naquele meu concerto, eu para eles não atentei, diz o Senhor... Dizendo Novo Concerto, envelheceu o primeiro. Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece, perto está de acabar” (Hb.8:6-9,13 – parênteses meu). “Então disse: eis aqui venho, para fazer, ó Deus, a tua vontade. Tira o primeiro, para estabelecer o segundo” (Hb.10:9). “O qual nos fez também capazes de ser ministros dum novo testamento, não da letra (lei), mas do espírito; porque a letra (lei) mata, e o espírito vivifica. E se o ministério da morte, gravado com letras de pedras (os 10 mandamentos), veio em glória, de maneira que os filhos de Israel não podia, fitar os olhos na face de Moisés, por causa da glória do seu rosto(que representava o velho pacto), a qual era transitória. Como não será maior glória o ministério do Espírito? Porque, se o ministério da condenação (aqui referindo-se aos 10 mandamentos) foi glorioso, muito mais excederá em glória o ministério da justiça. Porque também o que foi glorificado nesta parte não foi glorificado, por causa desta excelente glória. Porque, se o que era transitório foi para glória(os 10 mandamentos), muito mais é em glória o que permanece”(IICor.3:6-11, o parêntese é nosso, pois aqui os ADV não tem como fugir da realidade, o apóstolo Paulo chama categoricamente os 10 mandamentos de “Ministério da morte” e o taxa como transitório). Este último vrs. Claramente declara que o que foi com glória haveria de acabar. Agora, para saber o que se acabou, perguntemos: O que foi para glória? O vrs.7 nos dá a resposta: “E, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, veio em glória..”. Que lei foi gravada em pedras pelo dedo de Deus? A resposta só pode ser uma: OS DEZ MANDAMENTOS. Leiamos: “O Senhor me deu as duas tábuas de pedra, escritas com o dedo de Deus; e nelas tinha escrito conforme todas aquelas palavras que o Senhor tinha falado convosco...” (Dt.9:10). “Então, disse o Senhor a Moisés: Sobe a mim, ao monte, e fica lá, e dar-te-ei tábuas de pedra, e a lei, e os mandamentos...” (Êx.24:12). “Então, vos anunciou ele o seu concerto, que vos prescreveu, os dez mandamentos, o os escreveu em duas tábuas de pedra”(Dt.4:13).


A ABOLIÇÃO DO SÁBADO

Encontramos em Os.2:11 uma profecia sobre a abolição do Sábado: “E farei cessar todo o seu gozo, as suas festas, as suas luas novas e os seus sábados; e todas as suas festividades”. Quando apontamos Cl.2:14-17 como se referindo ao cumprimento dessa profecias de Oséias, os ADV discordam arrazoando que a palavra “sábados” de Cl.2:16 se refere aos por eles denominados de “sábados cerimoniais ou anuais” que aparecem em Levítico 23, na relação dos feriados nacionais judaicos. Ocorre que os denominados “sábados cerimoniais ou anuais” já se encontram incluídos na expressão “dias de festas” de Cl.2:16: “Portanto ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festas, ou lua nova, ou dos sábados”. A prova está em Lv.23:37, que diz: “Estas são solenidade do Senhor...” Acerca do Sábado, indicado em Cl.2:16 se lê: “Além dos sábados do Senhor...”(Lv.23:38), isto é, os sábados semanais. Leiamos também: “E santificai os meus sábados(semanais), e servirão de sinal entre mim e vós, para que saibais que eu sou Senhor, vosso Deus”(Ez.20:20, parêntese nosso). Compare: “Guardarão, pois, o Sábado os filhos de Israel...Entre mim e os filhos de Israel será um sinal para sempre; porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, e, ao sétimo dia, descansou, e restaurou-se”(Êx.31:16-17).

Tornando mais clara a declaração bíblica da abolição do Sábado semanal com base em Cl.2:14-16, apontamos:

- a expressão de Paulo em Cl.2:16 “dias de festas” se relaciona com os feriados nacionais judaicos, denominados festas e pelos ADV como “sábados cerimoniais ou anuais”(denominação anti - bíblica e sem fundamento) . São sete as festas anuais:

1) Festa da Páscoa – 15o dia do 1o mês – (Lv.23:5-7).
2) Festa dos asmos – 21o dia do 1o mês – (Lv.23:8).
3) Festa de pentecostes – 50o dia desde a Páscoa – (Lv.23:15-16).
4) Festa das trombetas – 1o dia do 7o mês – (Lv.23:23-25).
5) Festa da Expiação – 10o dia do 7o mês – (Lv.23:26-32).
6) Festa dos Tabernáculos (1o dia) – 15o dia do 7o mês.
7) Festa dos Tabernáculos (último dia de festa) – (Lv.23:24-36)


b) – A fórmula “dia de festas, luas novas e sábados” é a fórmula consagrada para indicar os dias sagrados anuais, mensais e semanais ou semanais, mensais e anuais.

1o ) Exemplo “Porém no dia de Sábado(semanal) dois cordeiros de um ano... Holocausto é do Sábado (semanal) em cada Sábado....” (Num.28:9-10, parêntese nosso). “E as suas libações serão metade dum him de vinho para um bezerro... este é o holocausto da lua nova (cada mês) de cada mês, segundo os meses do ano” (Vrs.14). “Porém no mês primeiro, aos catorze dia do mês, é a páscoa do Senhor (cada ano) e aos quinze do mesmo mês haverá festa: sete dias se comerão pães asmos”(Vrs.16,17). Temos então a ordem dos holocausto: semanal, pela palavra “Sábado”; mensal, pela expressão “lua nova”; e anual, pela expressão “dias de festas”.

2o ) Exemplo: “E para cada oferecimento dos holocaustos do Senhor, nos sábados (cada semana), nas luas novas (cada mês), e nas solenidades (cada ano) por conta, segundo o seu costume, continuamente” (ICr.23:31, parêntese é nosso).

3º ) Exemplo: “Eis que estou para edificar uma casa ao nome do Senhor meu Deus, para lhe consagrar, para queimar perante ele incenso aromático, e para o pão contínuo da proposição, e para os holocaustos da manhã e da tarde (cada dia), nos sábados (cada semana), e nas luas novas (cada mês) e nas festividades (cada ano)” (IICr.2:4, parêntese é nosso). (leiam também: IICr.8:13; 31:3, Ez.45:17)

Último exemplo:
“E farei cessar todo seu gozo, as suas festas (cada ano), as suas luas novas (cada mês), e os seus sábados (cada semana), e todas as suas festividades”(Os.2:11, parêntese nosso). (Agora, retornemos a Colossenses 2:14-17: “Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós cravando-a na cruz. E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo. Portanto ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa (cada ano), ou da lua nova (cada mês), ou dos sábados (cada semana)), que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo”(parênteses nosso).

Usando o argumento citado pelos ADV, que dizem o seguinte: “os termos Sábado, sábados e dia de Sábado aparecem setenta vezes no NT e em cada caso, exceto um, refere-se ao sétimo dia”(livro ADV: Estudos Bíblicos, p.378, 4o Ed.79). E qual o caso que “seria” exceção? Justamente Cl.2:16. Então, se os termos “Sábado”(singular), “sábados”(plural) ou “dia de Sábado” aparecem sessenta vezes e sempre se refere ao sétimo dia, ou Sábado semanal, e dando a eles o sentido de Sábado , nessas sessenta vezes – interpretação essa também aceita por tos os Adventistas, com exceção de apenas uma referência – então a nossa interpretação é correta, pois temos o apoio dessa interpretação cinqüenta e nove casos e os ADV só tem um. Se for um princípio de interpretação bíblica de que a Bíblia com a Bíblia se interpreta, a nossa interpretação, de Cl.2:16 é o sétimo dia, é correta. Alguns exemplos onde ocorre a palavra Sábado reconhecidas pelos ADV como sendo semanal: Mt. 12:1,2,5,10,12; 28:1; Mc.15:42; Lc.4:16,31; Etc... Dentre outras referências.

Contestam os ADV que o Sábado de Cl.2:16 não pode ser o Sábado semanal porque tais sábados não podem ser tidos como sombra. Ora, tanto pode, que é sombra do descanso que Cristo viria trazer para os seus (Mt.11:28-30, Is.11:10. Hb.4). Além disso, temos a palavra de um eminente teólogo ADV que assim afirma: “Além mais, a interpretação teológica que o comentário adventista dá (The Seventh-day Adventist Bíble Comentary) ao Sábado é difícil de justificar, uma vez que temos visto que o Sábado pode legitimamente ser considerado como sombra ou símbolo adequado da bênção presente e futura da salvação. Além disso notamos que o termo sombra é usado não em um sentido pejorativo, como um rótulo para observâncias inúteis cuja função cessou, mas para qualificar o seu papel em relação ao corpo de Cristo. Outra indicação significativa que contraria o Sábado cerimonial anual é de que estes já estão incluídos na palavra “heortês” e se “sabbáton” significasse a mesma coisa haveria uma repetição desnecessária. Estas indicações mostram fortemente que a palavra “sabbáton” conforme usada em Cl.2:16 não pode referir-se a nenhum dos sábados cerimoniais anuais” (From Sabbath To Sunday, p.358,359,360-1977, de Samuel Bacchiocchi).


A DIFERENÇA ENTRE OS DOIS CONCERTOS

ANTIGO CONCERTO:

1) Dado por Moisés (Jo.1:17).
2) Jugo de servidão (Gl.5:1).
3) Findou em Cristo (Rm.10:4).
4) Produz Morte (IICor.3:7).
5) Produz Condenação (IICor.3:9).
6) Era sombra (Cl.2:14-17)
7) Exige Justiça (Lc.10:28).
8) Nada aperfeiçoou (Hb.7:19).
9) Veio em glória (IICor.3:7).
10) Pobre para salvar (Hb.9:9).
11) Relembra o pecado (Hb.10:3).
12) Glória encoberta (IICor.3:13).
13) Traz maldição (Gl.3:10).
14) Sob a lei (Rm.6:14,15).
15) Sem herança (Rm.4:13).
16) Ratificado c/ sangue de animais (Hb.9:16-22).
17) Produz ira (Rm.4:15).
18) Não pode remir (Hb.10:4).
Abolição predita (Os.2:11)


NOVO CONCERTO:
1) Dado por Cristo (Hb.8:6;9:15).
2) Lei da liberdade (Tg.1:25).
3) Estabelecido por Cristo (Hb.10:9).
4) Produz Vida (Rm.8:2).
5) Produz liberdade (Gl.5:1).
6) É realidade (Hb.10:1-18).
7) Oferece Justiça (Jo.1:17; 3:16)
8) Produz perfeição (Hb. 7:19).
9) Maior Glória (IICor.3:8-10).
10) Salva perfeitamente (Hb.7:25).
11) Apaga o pecado (Hb.8:12).
12) Refletindo glória (IICor.3:8).
13) Liberta da maldição (Gl.3:13).
14) Sob a graça (Gl.3:22-25).
15) Eterna Herança (Hb.9:15).
16) Ratificado com o sangue de Jesus Cristo (Mt.26:26-28).
17) Livra da ira (Rm.5:9).
18) Redime (Gl.3:13; Hb.9:25).
Estabelecimento predito (Hb.8:7)